terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Edital de Convocação de Assembleia Extraordinária - CAECO

O Centro Acadêmico de Economia - CAECO vem por meio deste convocar os acadêmicos do curso de Ciências Econômicas da UEM para a ASSEMBLEIA EXTRAORDINÁRIA a se realizar no dia 28 (vinte e oito) de fevereiro de 2012, às 18:30 horas, no anfiteatro (sala 013) do Bloco C 34 (Bloco de Economia), com a seguinte ordem do dia:



1) Transição de Grades - Problemas nas Matrículas



Destaca-se a IMPORTÂNCIA DA PRESENÇA na assembléia para que a resolução e os esclarecimentos de tais problemas possam ser realizados da forma mais breve possível, com menores prejuízos aos acadêmicos.


Maringá, 28 de fevereiro de 2012

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

VISITA TÉCNICA - Foz do Iguaçu




As inscrições para a Visita Técnica à Itaipu Binacional - Foz do Iguaçú - promovida pelo Grupo PET Economia, serão realizadas hoje, dia 27 de fevereiro à partir as 18:30h na sala 112 (Bloco de Economia - Sala do PET).

As vagas são limitadas e as inscrições serão por ordem de chegada, e mediante à um parcela (R$ 60,00) do total (R$120,00).

A Visita Técnica é uma oportunidade única para o conhecimento prático de muito da teoria que estudamos em sala, bem como para a integração dos acadêmicos. Aproveite essa oportunidade!

sábado, 25 de fevereiro de 2012

DAA confirma o óbvio e Centro Acadêmico de Economia exige uma posição do DCO


 Antes de iniciarmos os repasses é fundamental que todos tenham lido a nossa última Nota (Leia no Blog: Raio X – Adaptação de Grades - Problemas nas Matrículas ).

Na última semana Protocolizamos junto a Diretoria de Assuntos Acadêmicos uma Carta ao Diretor do DAA relatando todo o processo envolvendo a transição de grades do nosso curso e, principalmente, os problemas enfrentados em 2012. Segue abaixo a Carta constuída tendo como base os relatos feitos em Assembléia convocada pelo Centro Acadêmico de Economia (Relembre a convocação da Assembléia Edital de Convocação de Assembleia Extraordinária - CAECO).

 Na sexta-feira pela manhã em ligação feita ao DAA, recebemos a informação que o nosso Protocolo já havia sido lido e respondido pelo Diretor do DAA. Pela tarde tivemos acesso ao Documento. Segue abaixo o mesmo:

Como está claro no Despacho feito: "A problemática deve ser discutida junto ao curso, coordenação e Conselho Acadêmico, já que é sua prorrogativa. Essa Diretoria não tem essa determinação..." A constatação é a que todos nós já sabiamos: Compete a Coordenação uma resposta e alternativa para os problemas e não ao DAA, contudo, seguindo a LEGALIDADE o CAECO confirma isso.

Diante de tal documento fomos imediatamente ao DCO. Como o Coordenador do Curso Professor Natalino Henrique Medeiros e nem o Chefe do Departamento Professor Nilmen Salles estavam presente, conversamos com a Chefe Adjunta do Departamento Professora Rosalina Lima Izepão e com o Coordenador Adjunto do Curso Professor Antonio Zotarelli. Diante também, de tal constatação formal, exigimos uma resposta do Departamento para os problemas causados

Não dá mais para esperar, acadêmicos estão perdendo aulas, vários transtornos na vida acadêmica do aluno e pessoal estão sendo causados pela omissão por parte da Coordenação do Curso a tantos problemas.

O Centro Acadêmico de Economia desde o ano passado vem entrando em contato com o DCO, levando tais Pautas e sempre propondo alternativas e, agora, seguindo a LEGALIDADE comprova a responsabilidade de todos esses transtornos.

Na próxima segunda-feira deverá ocorrer uma reunião entre a Coordenação do Curso e a Chefia do Curso (Coordenador do Curso Professor Natalino Henrique Medeiros, Chefe do Departamento Professor Nilmen Salles, Chefe Adjunta do Departamento Professora Rosalina Lima Izepão e  Coordenador Adjunto do Curso Professor Antonio Zotarelli). Na noite exigiremos uma resposta clara, um posicionamento concreto e dentro da LEGALIDADE.

O Centro Acadêmico de Economia - Gestão UNIÃO 2012 não irá parar por aqui. Estamos solicitando todo o processo que culminou na transição de Grade para identificar Resolução por Resolução se mais algum prejuízo foi causado aos nossos acadêmicos. Desde já, anunciamos que iremos entrar com uma Solicitação de Revisão de Equivalência das duas Grades, para verificar a viabilidade das suspensão imediata de todos os Laboratórios para os alunos que ingressaram na Grade antiga e que tiveram de se enquandrar na nova.

O CAECO se utiliza de todos os instrumentos para Defender os Alunos de Ciências Econômicas.

Sabemos dialogar para encontrar alternativas pelo bom senso (Relembre no Blog NOTA: LABORATÓRIOS);
E, como mostramos aqui, sabemos também lidar com a burocracia e LEGALIDADE.

Agradecemos a todas as Instâncias da Universidade pela Solidariedade e atenção prestada aos Acadêmicos de Economia, em especial ao DAA, que conforme escrito no Despacho: "... porém se coloca à disposição para auxiliar (o DAA) no que for necessário". Agradecemos ao Professores que desde já estão compreendendo o que está acontecendo e propondo alternativas para solucionar os problemas.

E PEDIMOS PARA QUE VOCÊ: ACADÊMICO DE ECONOMIA CONTINUE MOBILIZADO, ATENTO E PROCURE SEMPRE O CENTRO ACADÊMICO!!!!

NÃO DEIXE QUE NINGUÉM VIOLE O SEU DIREITO!!!!

Iremos até o fim!!!



NENHUM DIREITO A MENOS

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Raio X – Adaptação de Grades - Problemas nas Matrículas




Em 2010 o Curso de Ciências Econômicas da Universidade Estadual de Maringá iniciou sua nova grade. Novas disciplinas foram adicionadas, outras compactadas, outras desapareceram. Na nova grade não há matérias anuais, apenas semestrais. Uma mudança significativa em relação a grade antiga.

No primeiro ano da nova grade algumas dúvidas apareceram, em especial no fim do período letivo, e a Gestão do Centro Acadêmico de Economia (Gestão IntegrAção 2011) entrou em contato com os acadêmicos, esteve em sala de aula. O pedido naquele momento era a suspensão dos Laboratórios para os acadêmicos inseridos na grade antiga e que haviam reprovado em disciplinas (não ficado retidos) que ganharam tais disciplinas. O CAECO entrou em contato com a Coordenação do Curso e a solicitação foi atendida (Relembre no nosso Blog Nota Laboratórios ). Os Laboratórios foram suspensos, via diálogo e mobilização dos estudantes.

No fim de 2011 a Gestão do Centro Acadêmico de Economia (Gestão UNIÃO 2012) foi novamente procurada por vários acadêmicos. Novas dúvidas surgiram, o que é natural, a cada ano de adaptação novas situações aparecem. Estudamos os casos e criamos durante as férias alternativas. Antes do início do período letivo entramos novamente em contato com a Coordenação do Curso (como feito em 2011 – levamos os problemas e as alternativas). Ficamos otimistas com a conversa, uma vez que a nossa proposta foi acatada, (Relembre no nosso Blog Regime de Dependência / Atendimentos CAECO / Atendimentos Coordenação do Curso Regime de Dependência / Atendimentos CAECO / Atendimentos Coordenação do Curso  ). Infelizmente, baseado unicamente na Resolução Nº 011/2010 – CEP, o Coordenador do Curso vetou os encaminhamentos levados pelos alunos, em alguns casos construídos junto com o Centro Acadêmico. Tal postura, embora dentro da Legalidade, criou vários problemas aos acadêmicos do Curso. Fomos procurados pelos alunos e entramos em contato imediatamente com o Chefe do Departamento de Economia e com o Coordenador Adjunto do Curso. Levamos novamente os problemas e as alternativas. O Coordenador Adjunto do Curso Professor Antonio Zotarelli ficou encarregado d entrar em contato com o Coordenador do Curso Professor Natalino Henrique Medeiros. Dias passaram e nada foi feito ou proposto.

O Centro Acadêmico de Economia entrou em contato com o Diretório de Assuntos Acadêmicos, levando os problemas surgidos. Infelizmente, neste ano o DAA não está (por enquanto) realizando atendimentos individuais, o que dificultou a nossa ação. De qualquer forma, a informação passada é que o mesmo executaria as mudanças feitas pela Coordenação do Curso. Entramos mais uma vez em contato com o Coordenador do Curso e asseguramos (conforme visto no documento abaixo) o atendimento aos alunos depois do carnaval (os casos em que for comprovado erro em suas matrículas e que os mesmos estiveram na Assembleia convocada pelo CAECO).



Seguindo a política de convocação de Assembleias iniciada no ano passado, a Gestão UNIÃO realizou a primeira no dia 16 de fevereiro deste ano, tendo como Pauta a situação dos acadêmicos que estavam com algum problema em função da grade. A Assembleia contou com a presença de vários acadêmicos que apresentaram novamente todos os problemas enfrentados e os encaminhamentos que já haviam tomado. Em alguns casos o DAA, inclusive, até já havia resolvido, o que comprova o que o CAECO aponta: Existe solução! Uma nova reunião foi marcada para a manhã do dia seguinte, onde foi elaborada uma Carta encaminhada ao Diretor do DAA (abaixo trechos da Carta):

“…. Em 2012 os problemas aumentaram, dado que o número de alunos retidos subiu consideravelmente e o enquadramento fica mais complexo, uma vez que o número de disciplinas a serem enquadradas aumentam. Na grande maioria dos casos os acadêmicos que estavam no terceiro ano da grade antiga voltaram para o segundo ano, ou possuem um número de disciplinas a serem cursadas que os impedirá de concluir no prazo normal. Esses problemas tendem aumentar nos próximos anos, dado que a partir da terceira série que se encontra o maior número de acadêmicos propensos a readequação de grade, tornando essa situação insustentável.
O fator tempo é o que mais preocupa e prejudica, uma vez que esses acadêmicos estão perdendo aulas, o que será irrecuperável.
…. Diante de tal situação que atinge muitos acadêmicos do nosso curso solicitamos com máxima urgência uma reunião com o Senhor, tendo por objetivo esclarecer todas as dúvidas e evitar transtornos futuros”


Ainda pela manhã da sexta-feira, o Centro Acadêmico esteve no Departamento de Ensino e Graduação (DEG), onde levamos a situação vivida. Voltaremos depois do recesso de Carnaval para falar com o Diretor da DEG Prof. Dr. Eduardo Radovanovic e ter acesso a todo o Processo que culminou na nova grade. Na tarde do mesmo dia entramos em contato por telefone com o Diretor do DAA e passamos para ele em linhas gerais todo o processo. A conversa foi boa e sentimos mais uma vez uma disposição do DAA em encontrar alternativas para o caso. O Diretor do DAA irá ter acesso ao nosso Protocolo e entrará em contato com a Coordenação do Curso, a ideia é marcar uma reunião conjunta e encontrar soluções para os casos.

Lamentavelmente, não existe uma Política de readequação de grade para os acadêmicos que ao ficarem retidos na velha tem que se adequar na nova. No ano passado estudamos bastante esse processo, que já estava posto a Gestão de 2011. Sempre criamos alternativas, que até no ano passado foram integralmente atendidas. Em 2012 os problemas aumentaram e o CAECO continua com a postura de procurar soluções e não apenas levar problemas. Estamos atuando diariamente nesta Pauta, e entrando em contato com todas as instâncias da Universidade (como descrito acima). Estamos também lendo e estudando as Normas da Universidade com o intuito de criar sempre alternativas Legais.

Na quinta-feira dia 23 de fevereiro de 2012, voltaremos a atuar. Entraremos em contato com a Coordenação para verificar se o DAA já se posicionou diante do nosso Protocolo, e depois entraremos em contato direto com o DAA. Assim que tivermos as informações de amanhã repassaremos aos acadêmicos e decidiremos em Assembleia os próximos passos.


É válido ressaltar que o Centro Acadêmico solicitou junto a Chefia do Curso a abertura de turma nas Disciplinas: Economia Internacional e Teoria Macroeconômica para 2012 no Regime Anual, com o objetivo de minimizar os impactos da readequação de grade em 2012. Tal solicitação também foi atendida. 

Convocamos todos os acadêmicos a estarem sempre cientes dos acontecimentos do Curso. A nossa mobilização é fundamental e continuará garantindo as nossas conquistas.


Iremos até o fim!!!


NENHUM DIREITO A MENOS!!!

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Diretor do CAECO é indicado pelo DCE para compor a Comissão Eleitoral para a Eleição da nova Direção do CSA


O Diretor Social do Centro Acadêmico de Economia, David Rocha foi indicado pelo Diretório Central do Estudantes da UEM para compor a Comissão Eleitoral da Eleição que elegerá os próximos Diretores do Centro de Ciências Sociais Aplicadas - CSA em processo que deverá ocorrer neste ano. Atualmente o CSA é dirigido pelos Professores Clóvis de Souza (Diretor - Departamento de Ciências Contábeis)  e pelo Professor Antonio Carlos de Campos (Diretor Adjunto - Departamento de Economia).


(Trecho) Ofício nº 021/2012- DCE                             Maringá, 16 de fevereiro de 2012.

Ao Centro de Ciências Sociais Aplicadas – CSA,


            Conforme solicitação deste Centro ao DCE para indicação de um representante discente para composição da Comissão Eleitoral do CSA, seguem os dados do acadêmico indicado:

Nome: David Rocha Araujo


O Centro Acadêmico de Economia sente-se honrado pela indicação e dará todo o apoio em mais um processo eleitoral que o nosso Centro passará.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Projeto de Ensino “Discussões de Conjuntura e Política Econômica”



A professora Eliane Cristina de Araújo convida os alunos interessados para se inscreverem no Projeto de Ensino “Discussões de conjuntura e política econômica”. O projeto tem o objetivo de discutir com acadêmicos do curso de economia as principais notícias da imprensa sobre conjuntura e política econômica. 

A discussão é feita em reuniões semanais, com base em jornais e revistas como: Valor Econômico, Folha de São Paulo, O Globo, Carta Capital, etc.

As reuniões serão realizadas todas as terças-feiras, entre 18:20 e 19:20.

As inscrições podem ser feitas na secretaria até o dia 09-03-2012.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Edital de Convocação de Assembleia Extraordinária - CAECO



 O Centro Acadêmico de Economia - CAECO vem por meio deste convocar os acadêmicos do curso de Ciências Econômicas da UEM para a ASSEMBLEIA EXTRAORDINÁRIA a se realizar no dia 16 (dezesseis) de fevereiro de 2012, às 19 horas, no anfiteatro (sala 013) do Bloco C 34 (Bloco de Economia), com a seguinte ordem do dia:



1) Situação dos acadêmicos afetados pela alteração de grade do curso de Ciências Econômicas (considerando situação de REPROVA e REGIME DE DEPENDÊNCIA).


Destaca-se a obrigatoriedade de presença na assembléia para requerer atendimento junto a coordenadoria do curso em data posterior à definida pela resolução 049/2011-ECO.



Maringá, 15 de fevereiro de 2012

Rafael Oberleitner Crozatti
Presidente

Inscrições para recomposição do Grupo Conjuntura 2012



1. Encontram-se abertas as inscrições para recomposição do Grupo Conjuntura no período de 15 a 29/02/2012, junto ao Departamento de Economia, bloco C-34, sala 011.

2. Os candidatos deverão anexar a ficha de inscrição cópia do horário de aulas e controle de integralização curricular, estar cursando a 2ª, 3ª, 4ª ou 5ª série do curso de Ciências Econômicas e ter disponibilidade para estudos e reuniões durante a semana, em dias e horários a serem definidos pelos grupos.

3. Os alunos inscritos deverão comparecer para uma reunião com os coordenadores do Grupo no dia 03/03/2012, sábado, às 09 horas, no auditório 013, do Bloco C-34, para o processo de seleção e planejamento das atividades em 2012.

4. Os acadêmicos que participaram do projeto no período letivo de 2011 e que desejam continuar deverão confirmar, obrigatoriamente, participação para o período letivo de 2012 junto ao Departamento de Economia (DCO).

5. O resultado da seleção deverá ser publicado em 05/03/2012.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Carta aberta do Diretório Central dos Estudantes da Universidade Estadual de Maringá Ao Exmo. Senhor Governador Carlos Alberto Richa:




Maringá, 09 de fevereiro de 2012.

Carta aberta do Diretório Central dos Estudantes da Universidade Estadual de Maringá
Ao Exmo. Senhor Governador Carlos Alberto Richa:

Temos a convicção que somente através de uma educação pública, gratuita, de qualidade e laica, acessível a 100% da população, conseguiremos criar as bases para uma sociedade mais justa, livre e igualitária.
Infelizmente a realidade social brasileira ainda está muito distante daquela que almejamos, somos a 6ª maior economia do mundo com 6 milhões de miseráveis, o professor brasileiro recebe o 3º pior salário da categoria no planeta, nosso IDH é inferior à países como o Uruguai, Chile e Argentina.

Reafirmamos o nosso compromisso com um modelo melhor de sociedade, lutando, primordialmente, pela Educação como ferramenta de construção deste futuro. Para nós, estudantes, a Educação não é apenas mais um serviço a ser prestado por qualquer instituição, pública ou não. Educação é um Direito!


Porém, desde o início de 2011, sentimos na pele um intensivo sucateamento da Universidade Estadual de Maringá, que vai contra o crescimento da demanda de estudantes. Isso ficou claro quando, em resposta ao corte que já veio desde final de 2010, o Movimento Estudantil realizou um “pula-catraca” no Restaurante Universitário (R.U), devido as condições precárias que este se encontrava, e assim permanece: sucateado.


Fica evidente para nós que a política adotada - pelo governo estadual - prioriza o privado em detrimento do público. Subsidia-se milhões em uma empresa privada como a Coca-cola, sob a justificativa falaciosa de geração de empregos, enquanto o setor público sofre com a falta de servidores. Além disso, corta-se 15 % de cada secretaria, isto é, 15 % da SETI e 15 % da SEED, totalizando 30% de corte na educação paranaense.

As condições se agravaram e novamente nós, estudantes, fomos atacados, com propostas de redução de valor de bolsas, falta de equipamentos, falta de professores e servidores técnicos, etc., o que culminou em outra ação direta, desta vez com repercussão nacional (e podemos afirmar, até internacional): o Movimento de Ocupação da Reitoria – Manuel Gutiérrez, a maior ocupação de reitoria da história da nossa Universidade; onde, em um ato em defesa da Educação Pública, paralelo à reunião entre nossos representantes e o secretário Alípio Leal, levamos mais de 2 mil pessoas às ruas.
Construímos neste movimento, uma Pauta de Reivindicações – em anexo a esta carta – que foi acatada pelo secretário da SETI, Alípio Leal, assinando assim o compromisso com nossas demandas.

Entretanto, o ano de 2012 iniciou-se bastante contraditório às promessas do Governo do Estado. Fomos surpreendidos com mais um corte absurdo no orçamento da UEM, unimos, então, novamente nossos esforços para que nenhum direito dos estudantes fosse comprometido. Apesar da afirmação em reverter o corte no orçamento, igualando-o com o do ano anterior, sabemos, por experiência, que o orçamento de 2011 é insuficiente para as atuais carências desta Universidade. Por experiência, também sabemos que sempre que há contenção de gastos na universidade, os estudantes se tornam os maiores prejudicados.

Exigimos, portanto, que o governo cumpra com as obrigações firmadas com a comunidade universitária através da assinatura de nossa pauta de reivindicações. Exigimos também que o governo vá além, queremos mais investimentos, mais assistência estudantil, mais bolsas pesquisa, mais blocos, mais salas de aula, mais laboratórios bem equipados, mais professores, professores bem pagos, mais servidores, servidores bem pagos.

Educação deve ser mais que prioridade,
Educação é um Direito!

Nota de Falecimento





É com profundo pesar que o Centro Acadêmico de Economia vem por meio desta nota comunicar o falecimento de Leonora Marcon da Silveira esposa do Professor José James da Silveira primeiro Diretor da Faculdade de Ciências Econômicas de Maringá (que posteriormente deu lugar ao nosso atual curso de Ciências Econômicas da UEM) e Professor Emérito da UEM.

Nossos sentimentos a toda a família.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

ATO contra o Corte de Verbas e cumprimento das Pautas de Reinvidicação da Ocupação da Reitoria da UEM

Na tarde de ontem (quinta-feira) mesmo em baixo de chuva o Movimento Estudantil da Universidade Estadual de Maringá mostrou novamente a sua força. Cerca de 200 estudantes estiveram na inauguração do bloco E-90 da UEM em um ATO convocado pelo Diretório Central dos Estudantes. Diversos Centros Acadêmicos (dentres eles o nosso de Economia) estiveram presente, bem como diversos estudantes da universidade.



O ATO foi pautado pelo repúdio ao recente corte de verbas que a universidade sofreu e pelo cumprimento das reinvindicações da Ocupação da Reitoria do ano passado, reinvidicações essas que foram levadas ainda em 2011 ao Governo do Estado, que garantiu o seu cumprimento.

O Governador do Estado que havia confirmado presença na solenidade não apareceu, contudo, apareceu na colação de grau de uma instituição de ensino privado da cidade. Uma clara demonstração de desrespeito com a comunidade acadêmica da UEM, melhor Universidade do Estado, e que é afeta ao mesmo. 

Sem a presença do Beto Richa, a carta de reivindição foi entregue novamente ao Secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Alípio Leal, que a recebeu e assinou (novamente). Cobraremos agora, os prazos. 

O BLOCO
O bloco possui três pavimentos e foi executado em três etapas, iniciadas em janeiro de 2009. O custo total foi de R$ 2.718.268,32, com recursos do Fundo Paraná. O prédio é destinado aos departamentos de Física, Química, Matemática e Estatística, com salas de aula e monitoria, auditório, salas de professores, sala de reuniões, sala de informática e salas para pós-graduação em Matemática, Química, Estatística e Física, além de espaço para o PET Matemática e Consultoria Júnior. Todas as salas de aula e o auditório já estão equipados com data show e infra-estrutura de climatização. O bloco será equipado também com elevador para acesso aos pavimentos.




segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Programação da Calourada 2012 do Centro Acadêmico Florestan Fernandes de Ciências Sociais da UEM





PROGRAMAÇÃO 

07/02: Apresentação e debate sobre o Centro Acadêmico Florestan Fernandes (CAFF) e 1° Assembleia do ano;
HORÁRIO: 20hr / LOCAL: Auditório F-67 

08/02: Apresentação do curso pela coordenadoria do Departamento de Ciências Sociais;
HORÁRIO: 20hr / LOCAL: Auditório F-67

09/02: Mesa: Ciências Sociais no Brasil e na América Latina com Prof.Dr. Paulo Cunha (Unesp-Maríla) e Prof.Dr. Paulo Barsotti (FGV)
HORÁRIO: 20hr / LOCAL: Auditório F-67

10/02: Mesa: Atuação profissional do cientista social e os dilemas da pesquisa na universidade com Profª. Drª. Meire Mathias (UEM/DCS) e Prof. Dr. Ademir Lazarini (UEM/DFE)
HORÁRIO: 20hr / LOCAL: Auditório F-67

Todos os dias a tarde (07 a 10/02), a partir da 13hr30min, haverão oficinas no CAFF!!!

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Regime de Dependência / Atendimentos CAECO / Atendimentos Coordenação do Curso


Como sabemos o nosso curso vive um período de transição de grades, tanto o turno integral como o noturno da nova chegam ao seu terceiro (de quatro anos para o integral e de cinco anos para o noturno), a grande antiga ainda possui no período matutino e noturno as turmas do quarto e do quinto ano. Algumas disciplinas já não existem mais ou são semestrais e não mais anuais. Esse momento é de dúvidas, e como fizemos no ano passado dedicaremos as duas primeiras semanas para ajudar a orientar todos os acadêmicos na composição de seus horários. Pedimos que procurem o Centro Acadêmico. Em 2011 com o auxílio de alguns acadêmicos conseguimos a suspensão dos Laboratórios junto a Coordenação do Curso para os alunos matriculados na grade antiga que fizeram dependências em disciplinas da grade nova http://caecouem.blogspot.com/2010/12/nota-laboratorios.html . Neste ano outras demandas surgem e já entramos em contato com o Coordenador do Curso, que nos sinalizou possibilidades para atendê-las. 

O primeiro passo é observar o horário enviado pelo DAA, observar se está tudo correto. Caso haja problemas, ou questões nos procurem. Facilita a todos ao irem nos respectivos dias falar com a Coordenação http://caecouem.blogspot.com/2012/01/r-e-s-o-l-u-c-o-n-0492011-eco.html o esclarecimento feito antes. 

Uma dúvida que ainda surge é em relação ao Regime de Dependência e os seus dispositivos, por isso, segue o link da Resolução (completa) pertinente:


Merece destaque:

Matrícula em Regime de Dependência (trecho Resolução 011/2010  - CEP)

Art. 9º Entende-se por dependência a faculdade de poder o aluno que, reprovado em componentes curriculares, cumpri-lossimultaneamente com as da série de enquadramento, observados os seguintes limites de componentes curriculares, por período letivo:
I - dois componentes curriculares anuais;
II - um componente curricular anual e dois semestrais ou modulares;
III - quatro componentes curriculares semestrais ou modulares.
§ 1º A dependência é admitida apenas para alunos regulares do curso e currículo para o qual o componente curricular cursado é ofertado ou declarado equivalente.
§ 2º O regime de dependência pode ser desenvolvido com duração anual, semestral, trimestral, em módulos ou em outra forma para melhor aproveitamento acadêmico.
§ 3º O regime de dependência não dispensa o aluno do cumprimento das normas regimentais relativas à assiduidade e eficiência, programados para o componente curricular, em qualquer uma de suas formas.
§ 4º A reprovação em componente curricular cursado em regime de dependência não impede a matrícula na série subsequente, observadas as disposições quanto ao enquadramento na série e regime de dependência, contidas nesta resolução.
Art. 10. O atendimento aos alunos em regime de dependência pode ser desenvolvido nas seguintes formas e ordem de prioridade:
I - matrícula em turmas regulares do curso, caso haja compatibilidade de horário com os componentes curriculares da série de enquadramento do aluno;
II - matrícula em componente curricular de outro curso, declarado equivalente ou autorizado pelo coordenador de curso, caso haja compatibilidade de horários;
III - matrícula no componente curricular do curso ofertado em outro câmpus, mediante solicitação do aluno;
IV - matrícula em turma presencial criada pelo departamento observado o que segue:
a) solicitação de abertura de turma pelo coordenador do curso, com proposta  de horário, número mínimo dez alunos com compatibilidade de horários para matricula;
b) disponibilidade de docente e espaço físico;
c) encaminhamento à Diretoria de Assuntos Acadêmcos (DAA) do horário, número de vagas e a relação dos alunos para matrícula;
V - matrícula em turma ofertada na forma de Plataforma de Aprendizagem observados os procedimentos contidos nesta resolução, conforme aprovado no projeto pedagógico do curso.
VI - plano de acompanhamento de estudos conforme aprovado no projeto pedagógico do curso.


Existe sim um debate em torno das regras para a dependência, contudo, ainda vale a Resolução acima.
Estamos preparados para esse Debate e quando ele chegar para discussão no Departamento convocaremos uma Assembléia para discutir com todos os acadêmicos, como fizemos no ano passado na Pauta da Ocupação da Reitoria. http://caecouem.blogspot.com/2011/08/carta-de-apoio-ao-movimento-de-ocupacao.html .

ESTAMOS A DISPOSIÇÃO.


Centro Acadêmico de Economia
Universidade Estadual de Maringá



sábado, 4 de fevereiro de 2012

O CORTE DE VERBAS que culminou na Suspensão das Bolsas na UEM foi revertido!



por O Diário de Maringá

O desencontro de informações provocou erro na elaboração do orçamento do governo do Paraná para instituições de ensino superior em 2012. Na Universidade Estadual de Maringá (UEM), a verba de custeio teve uma redução de 70% e obrigou a instituição a suspender, em janeiro, as bolsas para pesquisas, trabalho e iniciação científica. Ontem, a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti) reconheceu que houve erro e garantiu que repassar verbas suplementares para compensar a redução.


O reitor da UEM, Júlio Santiago Prates Filho, não informou o valor total da verba de custeio, mas disse que só as bolsas consomem mais de R$ 2,8 milhões por ano.



A mais numerosa é a bolsa-trabalho (de formação acadêmica), com 456 alunos que ganham R$ 300 por mês para executar serviços institucionais ou em departamentos da universidade.


Havia a informação de que a verba de custeio era de R$ 14 milhões, mas Prates afirmou que é mais que isso. 


Ontem, com base nas garantias de verbas adicionais, ele se reuniu com cerca de 50 acadêmicos na Reitoria para anunciar o retorno das bolsas.

A promessa de verbas suplementares foi feita durante uma reunião na última quinta-feira, em Curitiba, entre reitores de diversas instituições com as secretarias estaduais de Planejamento, Fazenda, Ensino Superior e Administração e com o vice-governador e secretário de Educação, Flávio Arns. 


"Na confecção da peça orçamentária de 2012 houve uma certa diferença em relação ao que o governo nos tinha repassado. Em termos de custeio, a diferença é de 70%, mas o governo acatou que tinha uma diferença. Eles (secretários estaduais) detectaram a incongruência e fizeram a recomposição orçamentária", explicou Prates Filho.


O reitor diz que os recursos não atendem satisfatoriamente todas as demandas da UEM, mas há expectativas de melhora. "Sabemos da sensibilidade do governo do Estado em colocar o ensino superior como prioridade, mas os orçamentos são aquém das necessidades de todas as universidades. Por isso estamos fazendo um trabalho para recompor essa questão orçamentária", afirmou.


O secretário de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná, Alípio Leal, confirmou que há defasagem em todas as universidades. "É fato que a UEM acabou tenho a maior diferença", admitiu o secretário. Na avaliação dele, o orçamento das instituições vem caindo desde o governo anterior. 


"Na execução orçamentária, o governo Beto Richa vem com uma proposta de austeridade, de enxugar as despesas do governo, que são muito grandes. Dentro do possível e do absolutamente necessário, sem exageros, temos que fazer uma certa economia", disse.


Leal confirmou também que houve desencontro de informações para compor o orçamento da UEM. "A Secretaria de Planejamento encaminhou um estudo que não era o suficiente. A área econômica do Planejamento se baseou em um número de 2011 que estava defasado e, consequentemente, 2012 ficou defasado", acrescentou. Leal informou que o governo vai apurar exatamente qual é o valor correto a ser destinado à UEM. 



"O valor informado pela universidade é um, o da Fazenda é outro, do Planejamento é outro, da Seti é outro. Seja no governo, seja na universidade, seja na minha secretaria ou nas outras, o número deve ser um só", observou o secretário.

Fonte; http://maringa.odiario.com/



BOLSISTA: Quem já é bolsista e vai continuar trabalhando no setor, vá até a DCT já na segunda-feira para retirar sua Ficha de Frequência de FEVEREIRO!



ESTUDANTES/ CALOUROS: Se você tem interesse em entrar na Bolsa Formação Acadêmica (bolsa-trabalho), compareça SEGUNDA (06/02) PELA MANHÃ na DCT, e EXIJA sua inscrição!


A DCT fica no Bloco 104 na sala 02, logo acima da Cantina Central.



MAIS UMA VEZ A HISTÓRIA PROVA A IMPORTÂNCIA DE SE TER UM MOVIMENTO ESTUDANTIL DE LUTA!!!!


ESSA CONQUISTA É DE TODOS OS ESTUDANTES GUERREIROS DA UEM!!!!!!!

A UEM NÃO VAI EMBORA!!!!
O CENTRO ACADÊMICO DE ECONOMIA NÃO VAI EMBORA!!!!



quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Últimas notícias sobre o Corte das Bolsas na UEM


pelo DCE UEM - Gestão Movimente-se

Na reunião realizada hoje (01/02) no Diretório Central dos Estudantes da UEM (DCE) entre os estudantes da Universidade com o DCE foram repassadas as últimas informações acerca do corte de verbas feito pelo Governo do Estado que culminou na suspensão imediata de todas as bolsas geridas pela UEM.

Como sabemos, o reitor Júlio Prates Filho está em Curitiba em reunião com o Vice governador do estado Flávio Arns e com outros Secretários do governo, com o intuito de revogar o corte de verbas que ultrapassa 50% da verba de custeio da UEM. Na atual conjuntura, devido a falta de alunos bolsistas que exercem funções administrativas vitais para a instituição, a Universidade não possui condições de iniciar as suas atividades normais na próxima segunda-feira, data de início do período letivo.

Segundo o repasse feito pelo Gabinete da reitoria da UEM ao DCE, após se encontrar com o reitor o Vice governador do estado foi convocado a participar de outra reunião com o Governador Beto Richa, na qual ele ficou incumbido de buscar junto as secretarias do estado (Planejamento, Fazenda e Ciência e Tecnologia) alguma solução para este corte orçamentário. Amanhã será realizada uma reunião as 16h00 entre as secretarias mencionadas e o Vice governador.
NA PRÓXIMA SEXTA-FEIRA (03/02) SERÁ REALIZADA UMA NOVA REUNIÃO NO DCE AS 16H00 para que sejam dados os novos encaminhamentos. CONTAMOS COM TODOS NESSA LUTA!



Fonte: http://movimenteseuem.blogspot.com/

Contra a suspensão das bolsas: Reunião Quarta-feira, às 17h30 no DCE!





pelo DCE UEM - Gestão Movimente-se

Recordando: Logo no início de 2011, fomos surpreendidos com o anúncio do corte de 38% na verba das Universidades Estaduais Paranaenses. Pouco depois, o governo executou um corte de 15% emtodas as secretarias estaduais, ou seja, menos 15% para a SETI. Graças à política típica do governo do PSDB, aos poucos a administração da nossa Universidade foi apresentando suas próprias medidas de readequação dos gastos, o que culminou em um “pula-catraca” no R.U por partes dos estudantes. Se não bastasse isso, fomos surpreendidos em maio de 2011 com a ameaça de diminuição das horas da bolsa-trabalho, de 20h semanais para 16h semanais, o que reduziria em R$60,00 o salário destes bolsistas. Foi assim que a administração da UEM tentou resolver os problemas de cortes: prejudicando única e exclusivamente os estudantes!

Este ano não começa diferente. O corte de verba ainda é algo que nos assola e, como era de se esperar, a reitoria abaixa a cabeça para o governo do estado e readequa seu orçamento por meio de cortes arbitrtários que, coincidência ou não, atingem diretamente os estudantes. Foi assim com R.U. no ano passado, é assim com as bolsas-trabalho neste ano.

Para esclarecer: Fomos, novamente, pegos de surpresa. O reitor, de forma covarde, determinou verbalmente junto à DCT, que as bolsas-trabalho fossem suspensas a partir do mês de fevereiro, sem avisar a comunidade acadêmica! Desculpas como “não queremos criar alardes para que não chegue ao governo estadual” foram utilizadas, mas o que parece na realidade é que o reitor, propositalmente, guardou essa informação do corte orçamentário (sabido pela administração da UEM desde dezembro de 2011) até agora para que não houvessem críticas por partes dos departamentos e dos próprios bolsistas e estudantes.

IMPORTANTE: Não é somente a bolsa-trabalho que está suspensa, as bolsas Monitoria, Iniciação Científica entre outras que são geridas pela UEM estão comprometidas. E outros cortes estão por vir... Onde eles serão aplicados? No R.U? Na BCE? Nos laboratórios? Nas saídas de campo?

Servidores técnicos e docentes: Temos conhecimento de que várias repartições, como a DAA e a DMP, possuem um grande número de bolsistas que exercem funções de funcionários concursados. Os mais de 400 bolsistas são os responsáveis pelo bom andamento da Universidade, sem eles muitos departamentos ficarão fechados por falta de funcionários! Sabemos que a bolsa-trabalho (chamada de forma hipócrita de “bolsa formação acadêmica”) foi instituída afim de cobrir o déficit do funcionalismo na UEM. Não podemos esquecer que uma das reivindicações da Pauta da Ocupação da Reitoria do ano passado, assinada PUBLICAMENTE pela reitoria e governo do Estado, foi a transformação de 100 bolsas-trabalho em bolsas de pesquisa até JUNHO DE 2012 e que a contratação de novos funcionários fosse realizada, e até agora nada nos foi sinalizado!

Não é apenas a bolsa-trabalho que está comprometida. As bolsas de PIBIC e monitorias pagas com verba própria da UEM também irão ser cortadas. A bolsa do CNPQ também corre riscos, pois a Universidade não teria mais condições de dar a contrapartida necessária para a liberação das mesmas.

Bolsistas: Essa luta é de toda a Universidade! Não podemos e não vamos ficar quietos diante deste absurdo. A UEM já apresenta problemas demais no que diz respeito à assistência estudantil, desde o RU sucateado, à Casa do Estudante que ainda não está pronta. O corte das bolsas nos desrespeita, assim como desrespeita toda a Pauta Acordada de Reivindicações, fruto do Movimento de Ocupação da Reitoria de 2011.

Fonte: http://movimenteseuem.blogspot.com/

Repúdio aos cortes de verba do estado e das bolsas como primeira medida da reitoria da UEM



por Lorene Camargo
Corte, fissura, boicote. Furar, suspender, vetar, submeter. Palavras (verbos ou não) que, mal começado o ano, já enunciamos pelas ruas, esquinas e através das portas na quente Maringá. Nós, que tanto queremos uma profissão, um lugar que nos seja de direito, uma vaga digna em uma universidade com os devidos respeito e consideração, percebemo-nos com entraves, impasses, impedimentos e, clara aos olhos de quem quiser enxergar, atos (vândalos) de repressão.
Nos querem pelas ruas, com suor escorrendo de rostos já cansados, sem ter por quê lutar, ou mesmo força para. Tentam isto com um estalar de dedos, lançando decretos que simplesmente nos deixam de mãos atadas. Tomara não consigam atar-nos em pensamento e em pés para batermos forte neste chão de terra vermelha, a cada dia mais difícil de ser um lar.
Governo estadual corta doze milhões de reais de um orçamento, partido da universidade, de pressupostos [e requisitados] vinte. Oito milhões? Sim, essa é a conta das migalhas que restam. Se é para chutar um nome, que seja no mais provável: Universidade Estadual de Maringá é o nome dela. Como se já não bastassem as dificuldades existentes e que pelas devidas melhorias lutamos desde 2011, mais essa nos assola os corações que teimavam [e creio, ainda teimam] com uns pingos de esperança no diálogo, na responsabilidade e, principalmente na ética dos órgãos administrativos da nossa universidade.
Bolsistas que contam com esse alívio no orçamento pessoal para pagar suas contas, agora têm de sofrer por um acerto de contas mal feito. Se há má administração de gastos por parte do governo estadual, deveria ser problema dele. Pois é, deveria. Se há um péssimo gerenciamento dos próprios atos enquanto universidade, quem ocupa as devidas cadeiras responsáveis por ela é quem deveria estar à frente de todo e qualquer ato contrário a um corte como esse, que prejudica diretamente toda uma instituição. Pois então. Mas, pelo andar das coisas, é cada reitor por seu próprio umbigo e nós, estudantes, por todos.
Entenda-se “todos” funcionários, professores e enfim, estudantes. Não que estes rótulos não “confundam-se” entre si, mas didaticamente é isso. Não há mais bolsa de estudo com o patrocínio direto da UEM. Como os possíveis orientadores passarão a se virar sem os orientandos remunerados que tanto engordam seus currículos e os faz “andar pra frente” em termos de pesquisa, com suas trocas de inquietações e questionamentos? Como ficará nosso restaurante universitário, sem bolsistas-trabalho e  com déficit de funcionários? Tem como piorar? De acordo com os excelentíssimos que têm dado tamanho vexame, sim. Já começou pior. Não há como negar a possibilidade de que vá mais ao fundo ainda.
A regrinha básica “bola de neve” nunca funcionará tão bem quanto com esse corte de verba. Começa com a “base”, os estudantes e funcionários que dependem destas bolsas para, sim, sem drama, SOBREVIVEREM. Que mais eles farão? E a nós restará esperar, sentados, que a grande massa de “neve” já inchada de tanta podridão nos afogue, mate, cale? Espero [esperamos] que não. Lembrem-se: ocupamos uma reitoria com pés, mãos e corações corajosos. Não será possível que nos vençam após aqueles oito dias [simbolicamente] de força e enfrentamento.
Se conseguimos e vencemos um chão gelado à noite, horas sem dormir, dedos de desprezo e condenação em nossas caras, justamente na “toca do lobo” [vulga reitoria],  não será do dia para a noite que desistiremos, certo?
Certo.
Fonte: http://emdorfina.wordpress.com/